terça-feira, 10 de julho de 2007

Eugénio de Andrade

É urgente o amor.
É urgente um barco no mar.

É urgente destruir certas palavras,
Ódio, solidão e crueldade,
Alguns lamentos,
Muitas espadas.

É urgente inventar alegria,
Multiplicar os beijos, as searas,
É urgente descobrir rosas e rios
E manhãs claras.

Cai o silencio nos ombros e a luz
Impura, até doer.
É urgente o amor, é urgente permanecer.


Este é o meu preferido de todos. Porquê? Porque ainda não perceberam o quanto é urgente saber viver! É urgente permanecer...
Tenho dito, Helenita.

1 comentário:

Béu disse...

Sim! Sem dúvida...é me urgente saber viver...é me urgente todo esse poema!Tou motivada amiga, terei a oportunidade?*