quinta-feira, 30 de agosto de 2007

Tradução do horizonte


Como é bom olhar para o horizonte e perceber que não existem limites, mas que nós próprios criamos os nossos próprios limites. Como é bom olhá-lo vezes sem conta, mas em cada uma dessas vezes com um olhar diferente. Porquê? Porque crescemos e aprendemos que o que será amanhã, é hoje e foi ontem.
A vida não é uma eternidade, mas tudo é eterno na vida. E volto a afirmar convicta que tudo é eterno na vida. O nosso passado, um dia, foi presente e o nosso presente é sempre convertido em futuro em função do passado. Reflictam um pouco na vossa vida e logo perceberão que o que foi, ou volta a ser, ou condiciona o que será e, por isso, as nossas velharias acabam por rejuvenescer sempre que temos decisões a tomar.
Tudo isto porque percebi que nada é impossível na vida. Assim que criamos os nossos limites deixamos de sonhar alto e, consequentemente, deixamos que a felicidade se submeta à nossa ignorância. Não o façam! Que todos nós continuemos a sonhar e a olhar em frente.

Tenho dito, Helenita.

1 comentário:

Xpanhol disse...

olá...descobri k tinhas blog..eh eh.lol
mt fixe o texto, axo k tenx jeito pa cena, ja tive a ler alguns outros blogs teus, nomeadamente akeles em dedicatoria aos teus amigos ( bonita forma de o demonstrar) e gostei..:)
tenx razao, n há limites..
jinhos